Novo BLOG dos criadores dos 10 Pãezinhos. Muitas conversas e idéias sobre HQ, a arte e a vida.
:: Benvidos ao BLOG Os Loucos :: Site dos 10 Pãezinhos | E-MAIL ::
[::..Sites..::]
:: 10 Pãezinhos
:: TIRAS
:: FOTOLOG
COMICON 2003
Papo com Eduardo Risso
ROLAND
Estúdio Pinheiros
YELLO JELLO
KAKOFONIA
Laerte
Níquel Náusea
Kitagawa
Vida Besta
Neil Gaiman
BONE
Strangers in Paradise
Omelete
Universo HQ
Quanta Academia de Artes
Macmania
[::..Blogs..::]
Samuel Casal
Allan Sieber
Gustavo Duarte
Blog de Desenho
ORBITAL
Neil Gaiman
Pullovers
[::..Editoras..::]
Terra Major
Via Lettera
AiT/Planet Lar
Dark Horser
DEVIR
Conrad
Nona Arte
Brainnstore
[::..arquivo..::]

:: 30.6.04 ::

Com a cara e a coragem

Saiu uma nota no Universo HQ sobre o lançamento da nova revista e sobre as palestras que daremos em Julho. A data da palestra da Quanta está errada(por enquanto, pois acredito que eles vão corrigir o erro), não é no dia 10 de Julho às 14:00hs, é no dia 7 de Julho às 19:30hs. E é de graça. O preço simbólico é a compra da nova revista (mesmo sabendo que, sem comprar, você pode ver a palestra também).

E, já que na notícia já tem, aqui vai também: a nova capa!


:: Fábio Moon 12:30 PM [+] ::

...
:: 29.6.04 ::
Falando de quadrinhos

Augie De Blieck Jr é um crítico de quadrinhos. Em sua mais recente coluna, ele coloca sua resenha sobre Ursula, elogiando o desenho e descobrindo que se trata de uma história de amor. Levando em conta que ele é, mais do que um crítico, um fã de quadrinhos, especialmente (senão exclusivamente) os de super heróis, acho até que seus comentários foram positivos.

Membros da gangue.

Uma semana é o tempo que nos separa do lançamento oficial de ROCK'n'ROLL, durante o HQ Mix. Durante esse período, nada melhor do que alimentar a curiosidade dos nossos leitores com um pouco de informação sobre cada um dos artistas envolvidos. Se você já os conhece, sabe por que estamos fazendo essa revista com eles. Caso contrário, esteja preparado.

Para começar, o mais novo artista envolvido na revista, atual diretor de arte da revista Quatro Rodas, o primeiro e único Bruno D'Angelo:



Ele é capaz de te convencer de qualquer coisa. Tudo o que ele disse que aconteceria de fato se tornou realidade, tudo o que ele disse que faria, ele fez. Hoje, ele faz ainda mais.

Não é fácil ser um Bruno D'Angelo. Para início de conversa, ter um irmão mais velho super talentoso, também artista, foi por muito tempo uma barreira para que ele aperfeiçoasse seu trabalho. Deste modo, não restou para o Bruno opção senão a de convencer todo mundo que seu trabalho era bom. Mais do que isso, que era MUITO BOM. Em algum lugar entre esse passado e o presente, ele acabou por acreditar no que ele próprio estava dizendo e, a partir daí, seu trablho realmente começou a melhorar. Hoje, o Bruno é um dos artistas que eu conheço que mais desenha, que mais produz, independente do que as pessoas possam achar do trabalho dele. Essa despreocupação com a crítica ao seu trabalho é a maldição de muitos artistas independentes brasileiros, mas no caso do Bruno seu trabalho só ganhou força e uma nítida estética individual. Tudo isso faz dele um artista que para admirar e esperar poder trabalhar junto no futuro.

Por essas e outras razões, o convidamos para participar da nossa nova revista. Felizmente, ele aceitou. Estamos nesse barco juntos e o mar nos espera. Vamos agora partir atrás da baleia branca antes que o Bruno comece a nos dizer que ele já a encontrou, porque se ele fizer, é capaz que acreditemos nele.

Pode até ser verdade.

E, enquanto eu percebo que posso passar dias pensando em coisas para dizer sobre o o Bruno, me lembro que não disse o mais importante: ele acabou de colocar no ar o seu site, Yello Jello, onde você pode encontrar vários dos seus trabalhos e ver por si mesmo muito mais do que jamais poderíamos dizer sobre ele.

(Eu então me calo. Olho para a imagem do Bruno e vejo que seu desenho já mostra um dos personagens da nova história).
:: Fábio Moon 4:24 PM [+] ::

...
:: 26.6.04 ::

Felizes para sempre...



Terminamos a história nova. Da mesma forma que sempre fazemos, colocamos todas as páginas espalhadas pela mesa (haja espaço na mesa) pra contemplar a história inteira, tudo junto, funcionando em harmonia, como uma orquestra. Capa, capítulo um, capítulo dois, três, capa de trás.

Olhando para nossa filarmônica, vem aquela sensação gostosa de "não acredito que terminamos outra história". Foi nessa hora que eu parei pra refletir que fazer Histórias em Quadrinhos é a profissão que eu escolhi pra mim, algo que farei da minha vida para todo o resto dela. Mesmo assim, depois de 10 anos ou mais, ainda fico maravilhado e encantado toda vez que pensamos uma nova história, que terminamos uma revista nova, que o filho nasce.

Será que um dia essa sensação passará e tudo se tornará normal, um dia após o outro, um trabalho apenas?

Só tendo outro filho pra descobrir. Afinal, estamos neste mundo é pra reproduzir.
:: Bá 9:02 PM [+] ::

...
:: 25.6.04 ::
Arremessado para a Sexta.

Pela primeira vez em mais de um mês, fui dormir antes da meia-noite. Estava exausto. Dormi como um rei, sonhei como um louco e acordei como o maior dos mortais: com fome. Comi meus pãezinhos (não mais do que três), bebi meu café e vim trabalhar. Hoje, a nova revista, Rock 'n' Roll, vai para a gráfica e ainda há muito para se fazer.

Ontem, recebemos o convite formal para a cerimônia do HQ Mix, explicando as mudanças no sistema de votação, falando um pouco da história do troféu e dizendo que mais de 400 pessoas votaram esse ano. Ano que vem, esse número deve aumentar. A cerimónia do HQ Mix começa às 20:00h, no Sesc Pompéia, e nós vamos, com nova revista em punho, para entreter as massas com os novos Pãezinhos enquanto os prêmios não são entregues.
:: Fábio Moon 9:47 AM [+] ::

...
:: 23.6.04 ::

Feliz HQ Mix.



Quando se concorre a três prêmios, o pior que pode acontecer já não aconteceu, que é nem estar concorrendo. Ter sido escolhido é um reconhecimento por si só, o que é uma recompensa pelo esforço no ano que passou.

Quando se concorre a três prêmios, compete-se contra outros grandes artistas cujo trabalho também foi acima do mediano. A competição é sempre saudável, principalmente se justa, entre pessoas com a mesma paixão.

Achei legal a seleção de artistas concorrendo a melhor desenhista, pois mostrou uma escolha referente às produções do ano passado. Se não fôsse assim, era só sortear entre o Laerte e o Mutarelli. Pra nossa sorte, a Espanha é em outro continente e quase ninguém viu o trabalho do Marcelo Quintanilha (antes conhecido com Marcelo Gaú). Pro nosso azar, Florianópolis é logo ali. POR QUE O SAMUEL TINHA QUE SER TÃO BOM???!!! Pois é, ele é bom mesmo e só melhora, dia após dia. Parabéns, Samuel. Espero que você venha à premiação nas suas férias.

Sobre as revistas independentes, estou orgulhoso da produção do ano passado, com gente que vem fazendo isso a décadas e gente que já começou com o pé direito. Li recentemente o Apocripha e, preciso dizer, esperava mais. Mas minhas palavras de saúde vão para o herói Marcati, por merecer este prêmio mais do que ninguém. O independente. Se eu lembro de ler as podrêras dele quando era moleque, é porque o seu empenho e seu trabalho obtiveram sucesso, chegando ao público.

Enfim, sobre o blog, sempre deixamos claro que este espaço é pra discussão, reflexão, crítica, pois é preciso muito de cada um destes aspectos para fazer uma boa História em Quadrinhos. É nosso espaço de diálogo com o público, nosso espelho, é nosso Editorial. As pessoas sempre adoraram os editoriais do fanzine.

Ao que parece, continuam gostando.

Obrigado.


:: Bá 3:14 AM [+] ::

...
:: 21.6.04 ::
Pega o balão!

Saiu hoje mais uma materia sobre o nosso trabalho na coluna "Balão" do Diego Assis, na Folha. Compre o seu jornal e veja uma imagem inédita da nossa próxima revista, entitulada Rock'n'Roll.

Para os que não comprarem o jornal, não há imagem inédita, mas aqui está a matéria:

A quatro (ir)mãos

Personagens cativos desta coluna, os irmãos Fábio Moon e Gabriel Bá, da revista independente "10 Pãezinhos" atacam outra vez. E por todos os lados:
1. Planejam, com os também irmãos D'Angelo e Kako, o lançamento de mais um "pãozinho" independente para o início de julho. É "Rock'n'Roll", "uma história de estranhos acontecimentos sobre aquela música que te segue por todos os cantos".
2. Guardam a sete chaves uma nova graphic novel, que deve ficar pronta até o final do ano. Sobre essa, não revelam muita coisa ainda, exceto que se passará em São Paulo e que "é uma história mais madura, diferente de todas as que contamos antes".
3. Lançam em julho, nos EUA, "Ursula", tradução nada literal da história "Meu Coração Não Sei Por que", publicada por aqui pela Via Lettera. Para se ter uma idéia do tamanho da encrenca, a revista será lançada oficialmente em julho, na San Diego Comic Con, a maior convenção do gênero no mundo, e acaba de receber elogios da "Variety".
4. Por fim, os dois estão concorrendo ao próximo troféu HQ Mix de melhor(es) desenhista(s), pela revista independente "Feliz, Aniversário Meu Amigo!".
:: Fábio Moon 3:11 PM [+] ::

...
:: 20.6.04 ::
As crianças são mesmo bobas assim?

Hoje em dia, quando eu olho uma revista da Mônica, do Cascão ou do Cebolinha, ou qualquer outra revista em quadrinhos para criança, como a falecida Combo Rangers, eu saio da leitura com a impressão de que os autores acham que as crianças são bobas. Às vezes, até burras.

Eu lia Mônica quando era pequeno. Lia os gibis da Disney, lia um monte de coisa. E lia uma porção de livros para criança. De todas essas leituras, eu sempre gostei mais dos livros.Eles nem sempre tinham figuras, é verdade, e eu como criança sentia falta disso, mas as histórias que eu lia nos livros, os personagens aos quais eu era apresentado e o mundo em que eu mergulhava sempre foi muito mais criativo que o dos gibis de criança. Enquanto eu passava dias pensando nas historias que eu lia nos livros, as historias em quadrihos da minha infância eram lidas rapidamente, como se conta uma piada, e logo esquecidas. Ler uma história em quadrinhos é mais rápido do que ler um livro, mas não precisa ser mais básico e ralo por causa disso.

Para as crianças, tudo é possível. Por que então os quadrinhos feitos para crianças parecem ser tão limitados, pequenos, quando o mundo da criança é tão grande? Para uma criança, que gosta de sonhar, o que há de tão especial em um gibi que é, no máximo, um sonho sem graça de alguém sem criatividade?
:: Fábio Moon 7:15 PM [+] ::

...
:: 19.6.04 ::
CONVITE



É isso aí, o HQMix vai acontecer. A entrada é franca, todo mundo pode aparecer, comparecer e torcer pelos seus artistas e gibis preferidos. Vamos prestigiar o quadrinho nacional, o artista independente e a cerveja do SESC.

E aqui vai o agradecimento ao DRSystems, que patrocina o 16º Troféu HQMix. Segue a propaganda básica do patrocinador:
A DRSystems é uma empresa de soluções e tecnologia para Internet, atua em projetos 'full service' desenvolvendo layout e tecnologia ou em parceria com agências e webdesigners, programando páginas e sistemas para seus clientes.
:: Fábio Moon 2:26 PM [+] ::

...
:: 15.6.04 ::
Variety

Variety é uma revista de Hollywood que fala de entretenimento. Em seu site, ela fala sobre mais do que somente cinema, e a última resenha e critica sobre quadrinhos falou sobre Ursula. E falou bem! Clique aqui e fique tão surpreso (e feliz) quanto eu.
:: Fábio Moon 1:15 PM [+] ::

...
:: 10.6.04 ::
Passeando pela internet, essa janela para o mundo, encontrei uma janela para um passado que eu nunca tinha visto. Uma resenha sobre O Girassol e a Lua. Escrita por Gleber Pieniz, ela saiu no Anexo, site de notícias (e jornal?) de Joinville, na época do lançamento do livro. Enquanto lia, fiquei pensando no que continua sendo do jeito que era quando a matéria foi escrita, e também o que no nosso trabalho continua igual a como era quando desenhamos o nosso Girassol.

Segue, na íntegra, a resenha:



Metáfora de amor, violência e arte

Gêmeos dão novo fôlego aos quadrinhos brasileiros com "O Girassol e a Lua"

GLEBER PIENIZ

Joinville ? Há tempos não se via no Brasil uma dupla tão coesa nos quadrinhos quanto Gabriel Bá e Fábio Moon. Também pudera: gêmeos talhados na militância underground através de fanzines e conseqüentes trabalhos para jornais como "Folha de São Paulo", "Notícias Populares" e o "Estadão", a dupla cresceu dividindo material de desenho, técnicas e idéias. "10 Pãezinhos", seu zine de HQs, ganhou corpo e virou livro, sendo brindado recentemente pela Via Lettera Editora com uma edição primorosa para a história "O Girassol e a Lua", obra a quatro mãos que quebra a tradição de trabalhos solitários comum aos quadrinhos brasileiros e apresenta ao grande público um produto envolvente, sedutor e extremamente profissional.
Toda a história de "O Girassol e a Lua" é apresentada aos leitores através de Annie, garota que descobre, por acaso, o diário e os recortes de jornal deixados por Komarov, um jovem músico que se envolve numa trama de obsessão, perseguição, amor, violência e vingança. Junto com o enorme amigo Romeo, Komarov evita que um assassino serial estupre e mate uma misteriosa menina chamada Kelsie. Em reconhecimento, a pequena lhe presenteia com o Coração do Mar, amuleto que segundo as crenças difundidas pelos marinheiros dá a proteção das sereias aos homens. O ato de heroísmo, no entanto, desperta a ira do assassino, que promete vingar-se do vocalista d'Os Gigantes e passa a cumprir sua promessa seqüestrando Val, a paixão mal resolvida do rapaz.
Annie, em capítulos, vai conhecendo um pouco mais de Komarov e seus passos, desde os encontros e desencontros com Val e seu resgate espetacular das mãos do assassino, até o encontro final do músico com o criminoso - um duelo no mar de onde apenas um dos combatentes poderia sair vivo. Ao final da história, definitivamente envolvida pelas informações a que teve acesso, Annie torna-se também protagonista do enredo, encerrando à sua maneira aquilo que parece, a princípio, um emaranhado de ações inexplicadas e efeitos incompreensíveis - tanto para si, personagem, quanto para o leitor. A sequëncia de leitura é construída pelos gêmeos através de um intrigante sistema de revezamento que alterna os fatos violentos do passado (pela arte de Gabriel Bá) e suas conseqüências no presente (desenhada por Fábio Moon).

ESTILOS

Moon aprendeu com o irmão (apenas quinze minutos mais novo) os truques do desenho em preto e branco, padrão estético utilizado pela dupla em todas as páginas de "O Girassol e a Lua", com exceção da capa e da contracapa. Seu traço é limpo, claro, delicado e preciso nas linhas curvas, dando forma a apenas uma pequena parte de toda a história - 18 páginas contra as 69 desenhadas pelo mais novo. Bá, por sua vez, tem traço mais grosseiro, reto, sombrio e agressivo, fazendo um bom uso da luz e da sombra, deixando o detalhamento dos ambientes muitas vezes entregue à imaginação do leitor, tamanho o poder de sugestão de suas composições. O contraste entre dois estilos tão diferentes confere a "O Girassol e a Lua" uma envolvente seqüência onde os flagrantes de tempo se intercalam com tratamentos estéticos muito próprios, estando o presente representado por uma luminosidade reconfortante e o passado, por sombras de dúvida e insegurança.
A história escrita por Moon e Bá se constitui numa metáfora muito bem tramada onde Komarov (o girassol em questão) busca na vingança contra o estuprador (o sol) um presente para Val (a lua). Como todo o girassol - flor conhecida por virar-se conforme o astro-rei caminha pelo céu - o herói se deixa seduzir pelo brilho que sua natureza obriga a reverenciar e esquece que a lua, sua amada, também precisa dele. Outra referência encontrada na história - desta vez, resolvida em desenhos - remete às artes plásticas, mais precisamente ao pintor holandês Vincent Van Gogh, encarnado na figura do assassino tendo, inclusive, sua orelha decepada no início dos conflitos. Van Gogh, para quem sofre do pecado de não conhecer sua obra, tornou-se célebre por pintar, entre outras séries famosas, "Os Girassóis".

UNIVERSAL

Komarov, Romeo, Val, Kelsie e Annie vivem em um lugar que mescla características brasileiras a elementos universais, sendo impossível definir precisamente onde se localiza (o ilustrador Fábio Abreu resumiu-a sucintamente, como "uma típica cidade de quadrinhos"). Moon e Bá, pelo visto, não pretendem dar à história uma nacionalidade, ancorando-a fragilmente no Brasil apenas por força da língua utilizada nos diálogos. As onomatopéias utilizadas nas cenas de ação, os nomes e os figurinos escolhidos para os personagens e mesmo o design dos carros e das locações deixam margem para muitas interpretações e a certeza de que todas as cenas poderiam acontecer em qualquer lugar do mundo, comprovando a vocação dos gêmeos para brilhar no cenário internacional dos quadrinhos, um caminho que já começou a ser trilhado no ano passado, quando "Roland-days of Wrath" - minissérie em quatro edições escrita por Shane Amaya e desenhada pela dupla - ganhou o prêmio 1999 Xeric Foundation Grant nos EUA.
"10 Pãezinhos - O Girassol e a Lua" não é vendido em revistarias, sendo encontrado apenas em livrarias especializadas em quadrinhos ou através de pedido direto à Via Lettera Editora: rua Iperoig, 337 - São Paulo/SP - CEP 05016-000, telefone (11)3862-0760 ou e-mail.
:: Fábio Moon 5:37 PM [+] ::

...
:: 7.6.04 ::
Comportamento

Você nunca sabe exatamente o que vai dizer em uma entrevista até a pergunta ser feita. Você está lá, "naturalmente" em frente à câmeras, com um microfone apontado na sua direção, sorrindo (não tenho certeza se lembrei de sorrir) e respondendo qualquer pergunta como se defendesse uma campanha política. Resta saber se ganhamos a eleição.

Quarta-feira próxima, dia 9 de Junho, às 23:45, no Multishow (canal a cabo da Globosat), no programa "revista comportamento", não deixe de conferir essa nossa nova entrevista. Dependendo da edição do programa, é a chance de ver páginas inéditas da nova revista, assim como páginas inéditas do próximo livro, e de ficar sabendo um pouco mais sobre os nossos planos para a dominação do mundo.

Programa revista comportamento, quarta-feira, às 23:45hs, no canal Multishow.
Horários alternativos: quinta, às 6:30 da manhã, 8:30 da manhã e 13:00hs.

Pão com ovo

O omelete também dá a notícia da publicação de Ursula.
:: Fábio Moon 10:17 AM [+] ::

...
:: 6.6.04 ::
Lorde Takeyama

Este é o título de uma revista escrita pelo Shane Amaya e desenhada pelo Bruno D'Angelo. Lançada o ano passado, simultaneamente aqui e nos EUA, como o próprio título sugere, é uma história que se passa no Japão antigo e conta a história de um anitgo samurai e da morte de seu senhor, o Lorde Takeyama.

É uma história bem zen que capta o espírito das lendas japonesas e dos filmes do Akira Kurosawa, com poucos textos e uma arte muito inspirada.

Decidi falar aqui novamente desta revista porque reparei que ela não foi mencionada na votação do HQ Mix, nem ao menos está na lista de lançamentos de 2003, o que mostra uma falha enorme da editora que a publicou, Opera Graphica.

------

Outra revista que poderia entrar na lista de indicados à revista independente era a TIPOS, que publicou 3 números, dois destes em 2003, e faz parte de um projeto muito legal por parte do Papito e do Claudio, com festa de lançamento e shows e o escambau.

A votação para o HQ Mix acabou. O prêmio está melhorando, se profissionalizando, mas acho muito difícil ainda ter uma boa visão do mercado nacional e conseguir, em cima disso, premiar os destaques de forma justa.
:: Bá 3:54 PM [+] ::

...
:: 4.6.04 ::
tempo de mudanças

Como as coisas mudam rápido. No primeiro momento, você sabe o que te espera, tudo está correndo de acordo com o plano e sua vida prossegue calmamente. Qual não é a sua surpresa quando você se vê num mundo completamente de cabeça para baixo. Num piscar de olhos, tudo mudou. Será que foi tudo mesmo?

O HQ Mix continua firme e forte, com data marcada e tudo mais. Se você é um eleitor ativo do HQ Mix, não deixe de dar seu voto até o dia 5 de Junho.

Dia 5 de Junho do ano passado, nós lançamos nossa mais recente revista independente, Feliz Aniversário, Meu Amigo. um mês antes disso, nem pensávamos em transformar aquela história em revista, mas um dia olhamos para ela ( enquanto ela ainda estava no forno, incompleta mas já bela) e decidimos que ela daria uma revista redondinha, com uma história que todo mundo poderia apreciar, um bom número de páginas e um o nosso aniversário chegando para coincidir com o título da história.

Esse ano, resolvemos fazer outra revista. O processo da anterior foi muito bom, o resultado também. Sem muita data marcada, buscamos uma nova idéia, uma nova história. O desafio agora era fazer algo diferente. De repente, com a produção já começada, nos colocamos datas para que tudo fique pronto. E tudo vai ficar pronto em breve.

E fica aqui o nosso abraço ao Jotapê, que saiu da Via Lettera para trilhar outros caminhos. Ele acreditou no nosso trabalho quando estava lá e nos abriu muitas portas publicando nossos livros. Nos resta a dúvida do que ele fará a seguir, e o será da Via Lettera sem ele.
:: Fábio Moon 12:10 PM [+] ::

...
:: 3.6.04 ::
Revista.

Meu irmão se aproximou da viatura estacionada do outro lado da rua. Eu terminei de estacionar o carro no estúdio e fui olhar, da porta.
- Aconteceu alguma coisa? - meu irmão perguntou.
- Visita pro indivíduo aqui. -respondeu o policial, apontando para a casa logo em frente à nossa e fazendo uma cara de "circulando, rapá!".
Entramos.

É isso que acontece quando você trabalha durante a noite, mas o que a gente não faz para terminar uma nova revista. O trabalho é longo, a companhia é suspeita, mas vale a pena. Esperamos terminar a próxima revista logo para anunciar o dia do lançamento, o horário do desfile pela paulista e a festa ao ar livre no Ibirapuera.

O som da sirene da polícia se afasta, vai morrendo, e voltamos a trabalhar em silêncio.
:: Fábio Moon 12:44 AM [+] ::

...

This page is powered by Blogger. Isn't yours?