Novo BLOG dos criadores dos 10 Pãezinhos. Muitas conversas e idéias sobre HQ, a arte e a vida.
:: Benvidos ao BLOG Os Loucos :: Site dos 10 Pãezinhos | E-MAIL ::
[::..Sites..::]
:: 10 Pãezinhos
:: TIRAS
:: FOTOLOG
COMICON 2003
Papo com Eduardo Risso
ROLAND
Estúdio Pinheiros
YELLO JELLO
KAKOFONIA
Laerte
Níquel Náusea
Kitagawa
Vida Besta
Neil Gaiman
BONE
Strangers in Paradise
Omelete
Universo HQ
Quanta Academia de Artes
Macmania
[::..Blogs..::]
Samuel Casal
Allan Sieber
Gustavo Duarte
Blog de Desenho
ORBITAL
Neil Gaiman
Pullovers
[::..Editoras..::]
Terra Major
Via Lettera
AiT/Planet Lar
Dark Horser
DEVIR
Conrad
Nona Arte
Brainnstore
[::..arquivo..::]

:: 30.8.04 ::

ANDO OBSERVANDO LEGUMES


Esse ano é um bom ano para o quadrinho nacional. Pode não ser o melhor, esperamos que esse melhor ainda chegue, mas não podemos deixar passar em branco um ano em que tanta coisa boa acontece. Só na semana passada, fomos ao lançamento do novo álbum do Mutarelli, o Mundo Pet, e ao lançamento do segundo álbum do Roko Loko e Adrina Lima do Márcio Baraldi.

A revista MOSH continua firme e forte, já no quinto número, e só aparenta estar crescendo, tanto em conteúdo como em qualidade e também em relação ao gosto popular.

Os brasileiros desenhando para o exterior continuam desenhando para o exterior e, me parece, estão ganhando mais espaço e mais respeito pelo seu trabalho. Cada vez mais, nossos "super" brasileiros são procurados por terem seu próprio estilo, e não somente por serem bons em copiar o estilo dos outros.

E nós? Como vão os 10 Pãezinhos?

Nesse ano, nossos pãezinhos foram publicados nos Estados Unidos, e vem fazendo bonito na crítica e na opinião dos leitores. Estamos conversando com editoras da Espanha e da Itália para continuármos nossa expansão. Fomos indicados (na carona dos grandes que nos acompanharam) ao Eisner Awards por nossa participação no álbum Autobiographix, mas não ganhamos. Ganhamos o HQ Mix de melhor blog, feito que só quer dizer que estamos, da nossa maneira mais NERD, cuidando dos nossos leitores, mantendo-os vivos e curiosos sobre os próximos lançamentos.

E esses próximos lançamentos?

Já lançamos nossa pequena notável ROCK'n'ROLL, essa projeto híbrido que estamos espalhando pelo mundo. Mas sabemos que só fazer revista não basta. Só sair vendendo, para as pessoas próximas, não basta. Está na hora de lançar mais um livro, atingir mais pessoas e alegrar aquelas que, pacientemente, acompanham o nosso trabalho, a nossa história.

Quem sabe conseguimos lançar esse novo livro nesse ano que ja está sendo tão bom para o quadrinho nacional. Se não sair esse ano, só serve para adiantar que o ano que vem promete ser ainda melhor.

De volta ao trabalho.
:: Fábio Moon 11:50 AM [+] ::

...
:: 26.8.04 ::

Quantas Revistas, quantas histórias, quantas pessoas?



Só quem faz uma história do início ao fim sabe o prazer que dá, o sentimento de satisfação. Só quem conversa com os leitores, quem recebe a primeira carta, quem dá a cara pra bater é que sabe qual o resultado do seu trabalho, que tem o processo um pouco mais completo de toda a produção, com ação e reação delineadas. Mas só sabe de tudo quem faz uma coisa do início ao fim, pois é o fim que mostra o último capítulo, a conclusão, que fecha qualquer jornada. Antes disso, tudo é o meio do caminho.

Hoje deixaremos as últimas 10 cópias de "Feliz Aniversário" no Funhouse. Essa história que começou no dia 5 de Junho de 2003 lá mesmo, agora vê seu último capítulo se delineando. Todos ficaram satisfeitos com os resultados da nossa empreitada - de muito sucesso, posso dizer - neste mundo adulto de revistas independentes, onde você faz tudo sozinho. Vimos que crescemos. Nossos fanzines, tão importantes para o que somos hoje, se trasformaram em revistas. Nossas histórias e personagens também cresceram, amadureceram, vivem hoje num mundo mais real, pois têm seus limites. Todos temos limites e é sabendo disso que podemos fazer o melhor da vida.

1000 pessoas puderam ver essa história, mas sabemos que muito mais gente não viu, nem nunca verá. Mas essas são as escolhas que temos que fazer, os sacrifícios da nossa eterna batalha do Quadrinho Nacional. Um dia, quem sabe, esse deixará de ser um problema.

ROCK'N'ROLL segue o mesmo caminho, firme e forte, e aprendemos muito com nossa primeira revista independente. Já vendemos metade da nossa tiragem e já pagamos a gráfica. Agora nos resta conseguir que as revistas cheguem a mais gente.

Mas o importante mesmo é continuar contando histórias. O resto é meio do caminho.
:: Bá 2:52 PM [+] ::

...
:: 25.8.04 ::
O dia em que a cidade parou.

Ontem, a cidade parou. O trânsito das avenidas, das ruas e mesmo das calçadas parecia um grande estacionamento, um amontoado de veículos, todos lá parados, com todas aquelas pessoas atrasadas para onde quer que seja que estivessem indo. Fiquei por um momento olhando o caos pelo vidro do meu carro, durante minutos nos quais o único movimento era o do semáforo, que trocava de verde para o amarelo, depois vermelho, voltando enfim para o verde, continuando assim sem que ninguém saísse do lugar. Meu momento passou e eu ainda estava lá, dentro do carro. Enchi o saco, saí do carro e fui andando.

Minha super velocidade de um caminhar cansado ultrapassava todos os carros. Todos me observavam de dentro de um ônibus, invejosos de como eu estava indo e eles, não. Não importava muito para onde, só não dava para ficar parado.

Fui à loja de gibis, deixei nossa nova revista lá. Tomara que venda bem, pensei, e que eu tenha que voltar mais vezes para trazer mais gibis. Tomara que, da próxima vez, o trânsito esteja indo na mesma direção que eu.

Voltei para o carro. No caminho, encontrei um amigo, também andando. Abandonou o ônibus, lá embaixo, e veio andando. Nem a subida intimidava mais do que o inferno de ficar parado dentro do ônibus. Conversamos de quadrinhos, estamos planejando outra história juntos, e logo fomos interrompidos pelo carro que, cansado de ficar parado ao nosso lado, quebrou.Fez uma barulhera enorme, fumça saindo pelo capô, e eu e meu amigo nos despedimos e fomos embora antes que fôssemos intimidados a ajudar a empurrar (para onde, se nada se movia?) o carro quebrado.

Meu telefone tocou. Era uma amiga.

"Estou aqui presa no trânsito, não vou conseguir chegar na faculdade. Onde você está?"

"Estou indo para o estúdio."

"Posso te visitar?"

Eu nem estava lá ainda.

"Pode."

Dei uma pausa.

"Leva uns pãezinhos", concluí.
:: Fábio Moon 2:45 PM [+] ::

...
:: 24.8.04 ::

Novos pontos de venda de 10 Pãezinhos.



Colocamos 5 exempares de "Feliz Aniversário" e 5 de "ROCK'N'ROLL" na loja Ultra, na Galeria Ouro Fino.
Finalmente deixamos os 10 Pãezinhos na Comix. 10 exemplares de cada revista. E a Devir vai pedir mais revistas pra distribuir.

E a Candyland Comics em Curitiba também tem 10 cópias do "ROCK'N'ROLL".

Aos poucos, estamos espalhando a rede. Tenham calma. Se você tem uma loja de HQ na sua cidade, conhece o dono ou sabe que tem gente querendo 10 Pãezinhos por aí, mande um e-mail para nós que a gente tenta se acertar, ok.

:: Bá 7:32 PM [+] ::

...
Do caderno de rascunho.

Às vezes, você quer dizer alguma coisa e as palavras não vêm. Nem mesmo o silêncio satisfaz. Fica uma sensação de inquietude, uma vontade de procurar, entre tantos olhos que te observam, um olhar amigo, um porto seguro no qual você poderá contar suas histórias, compartilhar suas experiências e dividir seus sonhos.

Qual a responsabilidade de cada um de ser si mesmo? Qual a dificuldade de se abrir aos outros sem se perder dentro da sua própria abertura?

Qual o prazer de se reconhecer nos olhos de alguém querido?

E poder dizer isso, sorrindo?

:: Fábio Moon 11:18 AM [+] ::

...
:: 23.8.04 ::

Reclamações.





Existem muitas coisas com as quais o quadrinhista deve se preocupar, sendo a mais importante a história em si, mas uma das coisas que mais preocupa - e atrapalha - os aspirantes à quadrinhistas é a distribuição e venda da sua revista que ainda nem existe. Todo mundo reclama que não existe distribuição de Quadrinhos decente no Brasil e que ninguém aposta mais num projeto que vá pras bancas de jornal. Se todas estas pessoas fizessem suas histórias aos invés de reclamar, teríamos muito mais material disponível.

A grande questão é que isso não importa, onde vai vender sua revista, seu livro. O que importa é a história. Não é o fato dos Quadrinhos terem abandonado as bancas que diminuiu as vendas, pois as revistas nas bancas também não vendem tanto quanto um dia já venderam.

Muita gente nos pede pra distribuir melhor nossas revistas, pra que cheguem pra outros estados no Brasil. Nós tentamos, mas é difícil e, como eu já disse antes, não é exatamente a função do quadrinhista fazer isso, então quando o fazemos estamos tomando nosso tempo de produção. Muita gente também reclama que nós não fazemos palestras ou eventos em outros lugares do Brasil. Já é muito difícil organizar um evento desses aqui em São Paulo, onde a gente conhece bastante gente e os lugares pra fazer isso. Em outros lugares, onde não conhecemos ninguém e nenhum lugar, nós não podemos fazer isso sozinhos. Se, ao invés de perguntar e reclamar, alguém organizasse um evento de Quadrinhos, um dia de palestras, uma tarde de autógrafos e nos convidasse, ficaria mais fácil de acontecer. Todo mundo mora longe de algum lugar. Isso não é uma festa e deve ser sempre bem feito.

Fizemos uma história que vai pras bancas agora em Setembro. Vejam que não fizemos uma revista, mas uma história. Ela sairá na revista Wizard número 12 agora em Setembro, junto com uma entrevista sobre nosso trabalho e nossos novos projetos. A Wizard é uma revista que tem uma boa tiragem e uma venda significativa e seu espaço interno pra Quadrinhos pode ser muito bem ultilizado pra publicar e divulgar material nacional. Não quer dizer que você podem pegar suas páginas de caderno e mandar milhões de cartas pra redação da Wizard exigindo que eles publiquem suas obras primas. A Wizard é um produto, uma revista que precisa vender e dar o resultado que a editora espera e, realmente, eles não se importam tanto assim com o material que está impresso, desde que venda. Não é o sonho do QUadrinho nacional ainda, mas é um ótimo espaço de divulgação, se assim conquistado, o que fizemos a duras penas ao longo de 9 meses de conversa (tirando 10 anos de Quadrinhos).

Esperamos que dê uma impulsionada no Quadrinho nacional, na procura dos nosso livros e revistas e que, quem sabe, mais produções possam aparecer nas bancas pra todos aqueles que reclamam que não encontram bons quadrinhos na sua cidade. Mas o que eu espero mesmo é que mais gente faça boas histórias, e fodam-se as bancas.
:: Bá 10:58 AM [+] ::

...
:: 21.8.04 ::
mais uma entrevista.

Saiu uma entrevista conosco no site americano newsarama, falando principalmente sobre ROCK'n'ROLL. Todos os autores (Fábio Moon, Gabriel Bá, Bruno D'Angelo e KAko) respondem as mais variadas perguntas sobre a revista, sobre trabalhar com irmãos e sobre o mercado de quadrinhos. Uma grata surpresa são os comentários no final dos leitores e "futuros fãs".

Esse é o poder da internet. As pessoas ficam sabendo que você existe, qual é o seu trabalho, o que você quer dizer. Você não precisa colocar todo o seu trbalho disponível para visualização na internet - eu, pessoalmente, acho horrível ler qualquer coisa na tela do computador - precisa somente colocar o suficiente para manter as pessoas interessadas no seu trabalho. Quen sabe essas pessoas não vão atrás das suas coisas na livraria, na banca ou na Áustria?

mulheres


Toda história que eu escrevi até agora tem elementos autobiográficos, em sua maioria relacionados às mulheres que passaram pela minha vida. As mulheres são fascinantes, são encantadoras e são lindas - todas as qualidades de uma boa História em Quadrinhos.

Agora que eu estou desenhando essa história, Smoke and Guns, me encontro numa situação engraçada. Eu não escrevi a história, mas ela tem vários elementos que eu gostaria de ter escrito, como várias personagens femininas. Quase todas as personagens são mulheres. Se cada uma das mulheres da história tiver algo de mulheres que eu conheço, é melhor eu começar a sair mais e conhecer mais garotas, porque essa história tem mais mulher que banheiro feminino.
:: Fábio Moon 7:04 PM [+] ::

...
:: 17.8.04 ::

É como eu sempre digo...



Quando você não faz nada, não pensa em nada pra fazer. Quanto mais você produz, mais idéias você tem, mais soluções você vê para cada problema, mais histórias você conta.

Esse é o maior conselho que eu posso dar a quem quer ser Quadrinhista: faça suas histórias. Só se aprende fazendo.


:: Bá 7:48 PM [+] ::

...
:: 12.8.04 ::

Confirmada, pero no mucho.





Palestra Comic Con de cabo a rabo, com Ivan Reis, Marcelo Campos, Bruno D'Angelo, Fábio Moon e Gabriel Bá na Quanta Academia de Artes, dia 20 de Agosto, a partir das 20 horas. Venha conhecer mais da maior convenção de comics do mundo sob vários ângulos diferentes.

A única dúvida é este horário, mas melhor mesmo é chegar mais cedo, a partir dumas 19, tomar uma breja no barzinho embaixo do terraço, conversar e trocar figurinha.

Quem quiser mostrar trabalhos, levem o seu FANZINE! Quero ver vocês trabalhando, tirando a bunda do sofá, ao invés de me mostrar aquela pasta com desenhos de 2 anos atrás e sample pages à lápis. Nós queremos ver vocês contando histórias!

Teremos a revista ROCK'N'ROLL pra vender pra todos que ainda não tem.
:: Bá 7:14 PM [+] ::

...








Teste do Artista.


por Gabriel Bá

1. O que você gosta mais de desenhar?

linhas.

2. Qual o seu instrumento de trabalho favorito?

caneta 0.8 micron

3. O que você se recusa a desenhar?

o Capitão América

4. Você prefere anatomia real ou cartunesca?

anatomia Rodin, que pode ser interpretada como cartunesca.

5. O que é mais importante: boa arte-final ou boa cor?

Boa arte-final.

6. Qual o programa de computador que você usa para colorir?

Photoshop.


7. Qual a marca das canetas que você usa?

Micron Sakura, Faber Castel, Staedtler


8.Você prefere óleo, acrílica ou aquarela?

Se eu pintasse, guache.


9. Você já imitou algum estilo de arte? (anime, disney, super-heróis...)

Muitos. Mas só quando comecei a tentar contar as minhas histórias com os estilos de outras pessoa é que eu comecei a entender o desenho, as escolhas do desenhista.


10. Como você definiria o seu "estilo"?

chiaroscuro, ou seja, preto e branco, luz e sombra


11. Em que seu desenho ainda tem que melhorar mais?

mulheres.


12. Quando você começou a desenhar como hobby (todos desenhamos quando criança)?

desenhar sempre foi como respirar. Eu faço e pronto


13. Como é o seu caderno de rascunho? Quanto tempo de vida ele tem?

Quase vazio. Tenho pensado muito mais com a cabeça do que com a mão


14. Quantos cadernos de rascunho você teve antes desse?

Vários.


15. Quantos cadernos você preenche durante o ano?

levo anos em cada um deles


16. Lápis número 2 ou lapiseira?

Lápis 2B


17. Que tipo de borracha você usa?

Staedtler


18. Quem são as suas influências?

Eisner, Laerte, Mazzuchelli, Picasso, Frank Miller, Mignola, Jeff Smith... ué, são as mesmas do Fábio e temos estilos diferentes? Hoje em dia estou impressionado com o talento do Eduardo Risso.


19. Quais livros você recomendaria para os futuros artistas?

Livro é pra ler e ter idéias, deixar a imaginação voar. Leiam todos.


20. Você tem algum site favorito sobre dicas e lições para os artistas?

Este É o melhor, ué.


21. Qual foi a maior quantia de dinheiro que você já ganhou por uma ilustração/ página/ pintura?

FODA-SE o Dinheiro. O melhor foi ver o Girassol e a Lua em fanzine, encadernado caseiramente pelo Papito numa palestra em 2001.


22. O que você pretende com o seu trabalho? Como você se imagina no futuro?

Mostrar que podemos contar qualquer história em Quadrinhos. No futuro, estarei fazendo as mesmas coisas com a mesma paixão.


23. Finalmente, por que você desenha?

Por que tantas perguntas?

:: Bá 10:53 AM [+] ::

...
:: 11.8.04 ::

Gabriel Bá, Fábio Moon, Kako e Bruno D'Angelo
Passando a bola.

É sempre bom encontrar pessoas que gostam da mesma coisa que você. Traz a sensação de que seu mundo faz mais sentido e que mais gente passou pelo que você está passando, ou vai passar. Essa é uma das razões de gostarmos tanto de dar palestras e aulas sobre nossas experiências com quadrinhos. E já estamos planejando a próxima.

Como, entretanto, tornar a sua palestra um evento único? "É preciso encontrar alguma coisa diferente para jogar na receita do bolo, para dar aquele sabor especial", diria o cozinheiro. Como não somos cozinheiros, o jeito é buscar diferentes ânguloa do mundo dos quadrinhos para tornar a palestra mais interessante. Além disso, não machuca convidar mais gente para dar a palestra com a gente, então juntamos o útil ao agradável, com uma pitada de brodagem (Fábio usando gírias em textos escritos), tudo isso aproveitando o fato de vários brasileiros terem ido para a convenção de San Diego desse ano, e idealizamos a seguinte palestra:

SAN DIEGO DE CABO A RABO
todos os artistas que você pode ser
Nossa palestra esquizofrênica pretende mostrar todas as facetas do mundo dos quadrinhos de uma convenção, pelo ponto de vista dos artistas, desde o artista mais independente até o super star, passando pelo meio com aqueles que fazem um pouco de tudo. Para isso, juntamos Ivan Reis e Marcelo Campos, os artistas do momento que desenham o Super Homem, Bruno D'Angelo, nosso companheiro de ROCK'n'ROLL e artista do recente álbum Horns of Hattin da editora independente Terra Major (a mesma do Roland0) e os gêmeos dos 10 Pãezinhos, que publicaram ao lado de Frank Miller, acabaram de publicar Ursula pela AiT/Planet Lar e estão com vários projetos em andamento, alguns mais profissionais, alguns mais independentes (mas nem por isso menos profissionais).
Se você quer saber como é a vida de um quadrinhista, não importa qual gibi ele desenhe, essa palestra diz tudo e um pouco mais!

Então é isso aí. Estamos arranjando uma data legal onde todos os artistas possam comparecer, e a palestra provavelmente acontecerá na Quanta. Assim que tud estiver definido, avisaremos. Se possível, também levaremos mais uma faceta do mundo dos quadrinhos, mas essa é surpresa (até porque o senhor surpresa é muito ocupado).

Retornamos agora à nossa programação normal.


Às vezes, me sinto apenas um garoto.
uma ficção

Garoto não é gente grande, nãp precisa tomar as decisões que eu tenho que tomar, todos os dias. Garoto não ama com o corpo, apenas com a cabeça, pois o corpo ainda não adquiriu a consciência de que ele também quer, também precisa e também alimenta o sentimento e a alma da gente.

Pode ser que, quando garoto, eu tenha aprendido a lidar com os meus pensamentos. Eles são a minha maior conquista - tanto pelo valor que eles tem como pela quantidade em que eles florecem na minha cabeça. Meus sentimentos, no entanto, são minha maior preocupação. Me preocupo quando sinto e me preocupo quando não sinto. Assim, vivo preocupado. E preocupação não é mais coisa de garoto.
:: Fábio Moon 12:43 PM [+] ::

...
:: 10.8.04 ::









Teste do Artista.


por Fábio Moon

1. O que você gosta mais de desenhar?

Mulheres.

2. Qual o seu instrumento de trabalho favorito?

Pincel e nanquim.

3. O que você se recusa a desenhar?

Uma história muito ruim.

4. Você prefere anatomia real ou cartunesca?

Tem de passar uma sensação de real, não importa a anatomia.

5. O que é mais importante: boa arte-final ou boa cor?

Boa arte-final. Primeiro aprenda a ficar em pé para depois começar a andar.

6. Qual o programa de computador que você usa para colorir?

Photoshop.


7. Qual a marca das canetas que você usa?

Não importa muito, nenhuma é tão boa quanto o meu pincel.


8.Você prefere óleo, acrílica ou aquarela?

Aquarela.


9. Você já imitou algum estilo de arte? (anime, disney, super-heróis...)

Só "imito" estilos como homenagem. O único estilo que eu imitei por anos foi o do Bá.


10. Como você definiria o seu "estilo"?

Romântico.


11. Em que seu desenho ainda tem que melhorar mais?

Músculos. E também em desenhar super poderes..


12. Quando você começou a desenhar como hobby (todos desenhamos quando criança)?

Para mim, nunca foi um hobby, foi um estilo de vida.


13. Como é o seu caderno de rascunho? Quanto tempo de vida ele tem?

Atualmente, eu tenho três cadernos de rascunho. O para rabiscos mais rápidos é o mais recente, do começo do ano. Os outros são mais antigos.


14. Quantos cadernos de rascunho você teve antes desse?

Vários.


15. Quantos cadernos você preenche durante o ano?

Um.


16. Lápis número 2 ou lapiseira?

Lápis de cor azul.

17. Que tipo de borracha você usa?

O tipo que apaga e não borra.


18. Quem são as suas influências?

Eisner, Laerte, Mazzuchelli, Picasso, Frank Miller e Jeff Smith. Mais recentemente, tenho gostado muito daquelas ilustrações do começo do século vinte, e das primeiras tiras de jornal.

19. Quais livros você recomendaria para os futuros artistas?

O melhor livro é o caderno de rascunho. Se você quer desenhar, desenhe!

20. Você tem algum site favorito sobre dicar e lições para os artistas?

Esse aqui é bem bom.


21. Qual foi a maior quantia de dinheiro que você já ganhou por uma ilustração/ página/ pintura?

Dinheiro??


22. O que você pretende com o seu trabalho? Como você se imagina no futuro?

Eu quero contar histórias. Quero poder contar minhas histórias e quero que as pessoas tenham acesso a elas. No futuro, me imagino com cinco cabeças e nove braços.


23. Finalmente, por que você desenha?

É a minha maldição.

:: Fábio Moon 11:35 AM [+] ::

...
:: 8.8.04 ::

TUDO OU NADA.



Por mais complicada e inexplicável que a vida possa parecer, ela segue certos padrões, suas regras próprias que, mais cedo ou mais tarde, cairão sobre você. Com trabalho a vida é bem severa e, acredito eu, segue suas regras à risca.

Quando você está desempregado, parece que nada acontece e você perde a vontade de fazer as coisas acontecerem. Tudo entra na sintonia do nada, do tédio, da preguiça. É tomado por uma sensação de uma liberdade falsa que te prende a você mesmo e ao mesmo tempo te chama de inútil na sua cara.

Pelo outro lado, existem momentos em que, quanto mais você trabalha, mais trabalhos aparecem. E isso não é ruim, é ótimo, porque você consegue fazer tudo, se esforçando ao máximo. Nestes momentos você é capaz de fazer coisas que nunca conseguiria se estivesse no outro momento, o do desemprego e da preguiça.

Pois é, estamos num destes momentos caóticos onde não pára de aparecer novas coisas, mas estamos levando todas elas pra frente. Estamos terminando de colorir 99 quadros de story-board par entregar na terça, mais 6 desenhos pra Recreio pra amanhã, mais o rascunho de um desenhos sobre a Guerra do Paraguai pra esta semana, mais uma reunião na segunda à noite e outra na quarta feira e, pra completar, temos que colorir a história que vai pra banca. É, além de ir pras bancas, será colorida. Que coisa.

Isso tudo pra essa semana, pois se fôssêmos contar o que temos pro resto do mês, ainda tem um livro novo, o Rolando... mas tudo isso já é demais por enquanto.

Por isso eu digo: não fiquem parados esperando a vida acontecer. façam suas histórias, seus desenhos, mesmo que não tenha alguém te pagando pra fazê-lo. Não há pagamento melhor que o trabalho pronto.
:: Bá 9:01 PM [+] ::

...
:: 6.8.04 ::

10 PÃEZINHOS NAS BANCAS?



Estamos terminando uma história que, pasmem, chegará às temidas bancas de jornais de todo o país.
Mais detalhes por vir. Aguardem.
:: Bá 3:44 PM [+] ::

...
:: 5.8.04 ::
Namorando os quadrinhos.

Ontem, no FUN HOUSE, estávamos conversando sobre quadrinhos. Entre planos e novidades, ficamos sabendo que a Conrad vai lançar toda a coleção do Sandman em álbuns, pela primeira vez no Brasil. Eu lembro de ter ganho o encadernado do "Terra dos Sonhos", mas talvez esse tenha sido o único encadernado do Sandman que eu vi em português.

Algumas história são ótimas candidatas a essa vida comercial em livrarias. Seus autores, muitas vezes, pensam nelas da mesma forma que escritores de livros pensam em seus manuscritos, sendo o mais natural que ambas as criações estejam lado a lado nas prateleiras. Outras histórias deveriam aproveitar melhor o seu caráter momentâneo, de rápida leitura, e deveriam ser encaixadas em algum sistema funcional de reciclagem, como fazem com mangá no Japão.

Esta semana conversamos com vários editores, brasileiros e estrangeiros, sobre possíveis publicações: Se tudo der certo, o Rolando está na boca da área, pronto para fazer o gol; Ainda esse ano, quem sabe também lançamos um novo álbum em português de 10 Pãezinhos e, finalmente, mais conversas parecem estar nos dirigindo para mais publicações de pãezinhos no exterior. Entretanto, enquanto tudo isso for somente conversa, não dá para confirmar nada e, assim, ficamos praticamente na mesma.

É como um relacionamento ótimo com uma garota, que você sabe que quer ficar com você mas não sabe ao certo ainda o quão profundo esse relacionamento vai. Para piorar, fica essa sensação de que o relacionamento vai bem fundo mas a garota parece estar regulando. Quanto tempo você aguentaria essa pressão?
:: Fábio Moon 4:18 PM [+] ::

...
:: 4.8.04 ::
Leituras

Nada como a sensação de um trabalho bem feito para nos deixar com vontade de produzir ainda mais. Estamos de volta à padaria e várias novas histórias acontecerão.

Estou lendo um roteiro. Pela primeira vez desde que terminei o Roland, estou lendo um roteiro para desenhar. É muito diferente desenhar a história dos outros e, talvez, quando eu fiz o Roland, eu tivesse noção disso. A história em quadrinhos é uma junção do roteiro e do desenho e, quando você é responsável somente por uma das partes, você precisa encontrar a melhor maneira de fazer a sua parte, pensando no resultado final, mas sem tentar impor como você faria a parte do outro. A sua opinião é importante para que a revista, na mão do leitor, seja a melhor possível, mas sua opinião não é mais importante do que a do roteirista e, talvez, não seja também a certa. O roteirista pode ter uma opinião diferente da sua, mas nenhuma opinião é necessariamente errada.

O roteiro é divertido, as personagens são interessantes e, enquanto leio o roteiro diversas vezes, fico visualizando como esse roteiro ficará quando desenhado.

O sorriso que surge no meu rosto me faz continuar lendo o roteiro, ansioso para começar a desenhar.
:: Fábio Moon 1:29 PM [+] ::

...

This page is powered by Blogger. Isn't yours?